Hora de planejar o futuro – O futuro começa com boas escolhas!

Chegamos a terceira parte deste artigo, aqui entregamos deixamos horas de leitura e pesquisa, para trazer um conteúdo digno de nossa torcida. Seattle é uma franquia incrível com uma história magistral. Nem sempre o que sonhamos se realiza e com nosso time não é diferente.

Hora de Planejar o Futuro – Cuidando dos de casa 

Hora de Planejar o Futuro – É preciso mais!

Neste artigo tive ajuda do Guilherme Vaz, para fazer comigo o processo de Scout dos jogadores que mais achamos interessantes para Seattle, bem como opções para rodadas mais tardias. Ele tem bom conhecimento de draft, talvez mais que eu, e me indicou nomes para serem considerados.

Nos últimos 4 anos, ou mais, Seattle te tido escolhas de primeira rodada super contestáveis e escolhas no geral, que tem rendido muito pouco para a franquia. Como já dizia o jargão futebolístico, “A base é o futuro”. Para Seattle, no Football, “a base” trata-se do Draft. Processo ao qual jogadores universitários são escolhidos para integrar às franquias da NFL.

Para uma explicação básica e rápida. A ordem das escolhas é definida do pior para o melhor time na temporada, ou seja, o time que mais perdeu escolhe primeiro e o time que levou o Super Bowl será o último. Seattle não é nenhum deles. Hoje a franquia ocupa a 27ª escolha do draft 2020. Posição que já nos encontramos várias vezes.

Hoje, nossa franquia conta com as respectivas escolhas:

1ª Rodada – Seattle

2ª Rodada – Seattle

2ª Rodada – Trade Frank Clark – KC Chiefs/SF 49ers (a maior escolha será nossa)

3ª Rodada – Compensatória – Earl Thomas

4ª Rodada – Seattle

4ª Rodada – Compensatória – Justin Coleman

5ª Rodada – Seattle

6ª Rodada – Compensatória – Shamar Stephen

7ª Rodada – Seattle

 

O Seattle Seahawks conta hoje com apenas com as escolhas que levam seu nome e com a do Chiefs. O motivo? Seattle espera uma escolha compensatória pela saída de Earl Thomas, Justin Coleman e Shamar Stephen, para complementar seu draft.

As escolhas compensatórias são dadas a times que perderam jogadores importantes na free agency. Estas escolhas podem ser “canceladas” pela contratação de jogadores durante o mesmo período. No caso do Seahawks, apenas 3 jogadores não tiveram suas compensações canceladas e foram os citados acima. Seattle perdeu também JR Sweezy e Brett Hundley, que acabaram tendo suas compensações canceladas pela chegada de Jason Myers e Mike Iupati. A base de calculo para definir qual escolha cada franquia ganhará, é o valor do contrato de cada jogador. No caso de Earl Thomas, um contrato de U$14M anuais, garantiu a Seattle a compensação mais alta que a NFL da para um time que perdeu um jogador no mercado. Seattle receberá uma escolha de 3ª Rodada.

Justin Coleman por sua vez, teve um contrato de mais de U$8M e isso garantiu a Seattle uma escolha de 4ª rodada. Shamar Stephen com contrato de U$4M garantiu uma escolha extra de 6ª rodada.

Caso a NFL confirme a expectativa, Seattle terá 9 escolhas de Draft, fora as possíveis trocas que Seattle costumeiramente faz durante o draft.

 

Cenário 1:

Neste cenário, levamos em conta o artigo passado, em que defino no melhor cenário, a contratação de Brando Scherff e Yannick Ngakoue para recorçar o time. Então, procurarei “atacar” neste draft, as deficiências que ainda restam no time e repondo as saídas de jogadores free agents e possíveis cortes.

Contratações da Free Agency: OG e DE.

1ª Rodada – Center

2ª Rodada – DT

2ª Rodada – OT

3ª Rodada – WR

4ª Rodada – DB

4ª Rodada – CB

5ª Rodada – TE

6ª Rodada – LB

7ª Rodada – RB

 

Na minha opinião, dentro do cenário que especulei, está seria a conjuntura ideal de escolhas, ou a melhor aproximação do que seria ideal.

Calma, se você não gostou, durante a colocação dos nomes, tentarei explicar o motivo de cada escolha e em cada lugar.

 

Center – 1ª Rodada

Com um possível corte de Justin Britt, a posição será a prioridade para o Seahawks neste draft e precisa-se de um jogador que supra a função pelos próximos 5 anos.

O motivo de ser a primeira escolha é apenas uma, Tyler Biadasz é o melhor center do draft e ele não sairá sem ser escolhido no início da segunda rodada. Biadasz é uma aposta segura, jogador com qualidade para alavancar o interior da linha ofensiva de Seattle. Também, seria impossível conseguir um jogador do mesmo calibre no fim da segunda rodada, por isso, é importante garantir o melhor da posição já de imediato.

Defensive Tackle – 2ª Rodada

Uma das posições que precisa aumentar sua rotação, é a de defensive tackle. Com a saída de Al Woods, Seattle perdeu bastante na contenção, apesar de Poona Ford ser um jogador muito bom. É importante criar uma rotação segura e de alto nível para se ter uma perspectiva boa na defesa.

Ross Blacklock, DT de TCU, ex-companheiro de LJ Collier tem aparecido bem nos boards e pode ser um valor interessante aqui. Blacklock mostra bem mais qualidade do que seu companheiro. Larrell Murchison, DT de NC State é outro nome que pode cair no colo de Seattle. Jogador interessante para se desenvolver na rotação.

*Menos provável – Raekwon Davis, DT, Alabama.

 

Offensive Tackle – 2ª Rodada

Seattle sofre a anos com a linha ofensiva, draftar um OT alto no draft faz bastante sentindo em um cenário em que não renovamos com Fant e Ifedi. O primeiro disse que procurará um lugar em que possa ser titular o segundo tem antipatia da torcida e sofre com o fardo de ser uma escolha de primeira rodada que nunca deu certo. Por isso, Seattle precisa buscar alguém forte para o setor e este ano temos bons nomes para a posição.

Isaiah Wilson, OT de Georgia é um dos nomes interessantes aqui. Jogador vem de duas temporadas boas por UGA e pode dar bastante consistência na posição. Trey Adams, OT de Washington é outro nome interessante. Adams é um jogador enorme e de grande atletismo, mas tem dificuldades com speed rushers com tamanho menor. Adams pode acrescentar muito com seu trabalho de proteção ao passe.

 

Wide Receiver – 3ª Rodada

Dar um nível ainda maior ao corpo de recebedores é muito importante no atual momento que vive Wilson. Seattle conta hoje com DK Metcalf e Tyler Lockett como jogadores seguros na posição. Mesmo que mantenha Malik Turner e David Moore, Seattle precisa buscar alguém com qualidade para estar em campo e produzir em alto nível, não dropando bolas quando mais se precisa.

Nessa posição, possivelmente teremos algumas opções. Seattle precisa dar mais versatilidade ao grupo de recebedores e Van Jefferson de Florida, Gabriel Davis de UCF, KJ Hill de Ohio State e Collin Johnson de Texas podem ser nomes bem interessantes.

 

Defensive Back – 4ª Rodada

Buscar um Safety ou algum jogador que agrega a secundária faz bastante sentido. Lano Hill e Tedric Thompson são jogadores ruins e nada mudará isso. Seattle precisa de profundidade para fazer suas variações de Cover-3 em segurança, sem ter medo de deixar a secundária ser exposta. Bradley McDougald está em seu último ano de contrato e Seattle talvez tenha problemas para o manter na próxima season.

Em meio de draft. sempre haverá nomes capazes de assumir a responsabilidade e corresponder dentro de campo. Em meio a estes nomes 3 jogadores chamam a atenção por volta deste round (pode acontecer de saírem antes, difícil mensurar), mas Jeremy Chinn de Southern Illinois é um dos nomes que vem agradando os scouts após o Senior Bowl e ao reverem seus tapes. Jogador físico e com boa qualidade em pressionar as rotas. JR Reed de Georgia é outro nome muito interessante para um jogador que precisará ser trabalhado.

Outros nomes:

Richie Grant, UCF;

Terrell Burgees, Utah

Jordan Fuller, Ohio State.

 

Cornerback – 4ª Rodada

Buscar um CB no draft não é pelo motivo que vocês imaginam. Apesar de ter sido exposto contra o Packers, Tre Flowers teve suas duas primeiras temporadas bem solidas por Seattle e dificilmente o time apostará muito alto em um corner. Nossa secundária mais tem sofrido por falta de ajustes e pass-rush, do que propriamente por questões de talento. Dar profundidade ao corpo é importante.

Troy Pride JR de Notre Dame, Lamar Jackson de Nebraska e Chase Lucas de Arizona State são nomes bem sólidos e podem ser vislumbrados.

 

Tight End – 5ª Rodada

Ainda não sabemos o que esperar de Will Dislly. O jogador teve dois inícios de temporada incríveis por Seattle, mas não consegue se manter saudável e contribuir por uma temporada inteira. Jacob Hollister foi bem, mas Wilson pode contar com uma ajuda extra na posição para ter alvos mais seguros e variações maiores de jogadas.

Adam Trautman de Dayton e Albert Okwuegbunam de Missouri são nomes interessantes para compor o elenco e disputar a vaga de TE3.

 

Linebacker – 6ª Rodada

Essa é uma posição que terá que ser reposta. Vislumbrando um possível corte de KJ Wright, Seattle pode buscar alguém para acrescentar ao corpo de LBs, que hoje contaria com Bobby Wagner, Cody Barton e Ben Burr-Kirven, o último tendo apenas participação no Special Teams durante a temporada passada. Por isso, é importante acrescentar mais um nome ou dois para a posição.

David Reese II de Florida, Justin Strnad de Wake Forest e Francis Bernard de Utah seriam minhas apostas. Jogadores de Late-Round, mas com boa capacidade de desenvolvimento para um futuro próximo, agregando ainda ao Special Teams.

 

Running Back – 7ª Rodada

Nossos dois principais RBs sofreram lesões que os tiraram dos playoffs. Penny deve voltar apenas no training camp ou pré-temporada. Carson por sua vez estará apto para voltar, mas precisará de variação na posição. Prosise não deve voltar.

Seattle terminou com apenas Travis Homer saudável no fim da temporada, isso torna preocupante o status do time na posição. Buscar um jogador no fim do draft para dar profundidade pela disputa da posição, será algo interessante de se ver.

Tenho visto alguns Boards colocando AJ Dilon bem baixo, o jogador de Boston College tem tudo que um bom RB precisa para se desenvolver na NFL. Duvido que sobre até o final do draft, mas não custa sonhar. Reggie Corbien de Illinois que apareceu bem no Senior Bowl também pode ser um nome a se considerar.

 

Cenário 2:

Neste cenário, escolhemos uma free agency que priorizava a linha ofensiva. Seattle teria contratado Jack Conklin e Joe Thuney neste cenário e daria bastante profundidade e talento ao redor de Wilson. Entretanto, não teríamos um segundo DE com muita qualidade, como foi no cenário 1, mas ainda estaríamos priorizando a área mais forte do nosso time, nosso QB.

Contratações Free Agency:  Guard e OT.

1ª Rodada – DE

2ª Rodada – Center

2ª Rodada – DT

3ª Rodada – WR

4ª Rodada – CB

4ª Rodada – Safety

5ª Rodada – OT

6ª Rodada – LB

7ª Rodada – RB

 

Defensive End – 1ª Rodada

Em um cenário onde não contratamos um jogador de bom porte para jogar ao lado de Jadeveon Clowney, Seattle precisará ir cedo buscar um jogador competente para a posição. LJ Collier não mostrou ser capaz de ser proeminente na NFL. Rasheem Green vem de uma temporada em que foi muito bem, mas ainda insuficiente. Jefferson é free agent, Braden Jackson e Ziggy Ansah também. Seattle precisará de um jogador que cause impacto na posição e, caso não busque a free agency, tem capacidade de buscar um bom nome via draft.

Minha preferência neste caso seria um trade-down e escolher o melhor jogador disponível, entretanto, não posso neste artigo conjecturar coisas e sim apontar quais jogadores estarão disponíveis ou podem estar.

Yetur Gross-Matos de Penn State é um dos nomes que aparece vez ou outra na escolha de Seattle. Jogador com ampla capacidade de gerar pressão e que ainda assim, demandaria desenvolvimento na NFL. Terrell Lewis de Alabama seria um nome interessante e que com certeza viria para contribuir muito, saindo da poderosa Alabama.

 

Center – 2ª Rodada

Ainda será possível escolher um jogador de qualidade aqui. Mesmo não sendo os melhores da classe, jogadores como Nick Harris e Jake Hansen podem ser um upgrade para nossa atual situação. Joey Hunt e Ethan Pocic não são o futuro da franquia como centers e Seattle precisa de um nome forte para a posição com o possível corte de Britt.

Seattle provavelmente não terá a sua disposição o melhor center do draft, mas nomes como Cesar Ruiz de Michigan, Lloyd Cushenberry III de LSU e Nick Harris de Washington podem ser um upgrade e tanto em relação a Justin Britt.

 

Defensive Tackle – 2ª Rodada

Seattle ainda precisará de ajuda na posição de DT. Com apenas Poona e Jarran Reed, em um cenário em que ele renova, Seattle precisará de um bom jogador para dar fluidez na rotação.

Repito aqui os mesmos nomes do primeiro cenário, estaríamos na mesma posição com a mesma necessidade, entretanto, algum nome a mais pode sobrar se Seattle mudar suas duas primeiras escolhas.

Ross Blacklock, DT de TCU;

Larrell Murchison, DT de NC State.

 

*Menos provável – Raekwon Davis, DT, Alabama;

Justin Madubuike, DT, Texas A&M.

 

Wide Receiver – 3ª Rodada

Mesma coisa do cenário anterior. Seattle precisa de profundidade na posição e Wilson precisa de armas confiáveis para conseguir carregar este time ao Super Bowl.

Repito aqui o cenário 1 por não ver um board fugindo dos nomes já mencionados anteriormente.

Van Jefferson de Florida;

Gabriel Davis de UCF;

KJ Hill de Ohio State;

Collin Johnson de Texas.

 

Cornerback – 4ª Rodada

Seattle precisa de profundidade na posição. Sem um DE via free agency, o time precisa de um nome que dê segurança para jogar no slot, na posição de Nickel. Com nossos LBs sofrendo em 2019 por jogar em defesa base, esperamos que Pete Carroll acorde e coloque mais jogadores de secundária em momentos importantes.

Nessa situação daria um foco especial para o melhor CB disponível e vejo grande potencial em Lamar Jackson de Nebraska. O que muda? Uma defesa que teria um DE com zero experiencia de NFL e precisaríamos de uma secundária bem ajustada para evitar o desastre que vimos contra Green Bay.

 

Safety – 4ª Rodada

Profundidade. Esta é a única razão pela qual Seattle tem que buscar um jogador da posição.

Jeremy Chinn já mencionado anteriormente e Brandon Jones de Texas seriam apostas, mas o board nessa altura será imprevisível. Novamente iria atrás do melhor jogador disponível, mesmo que não seja um Safety.

 

Offensive Tackle – 5ª Rodada

Com as saídas na free agency e a chegada de Jack Conklin neste cenário, Seattle precisa buscar um nome para desenvolver. Duane Brown vive seus últimos anos na NFL e o time pode pensar em um jogador que o substitua no futuro próximo.

Difícil imaginar que um OT titular pode sair de um round tão longínquo, mas times como Falcons e Packers encontraram seu futuro no meio do draft, por que não nós?

Scott Frantz de Kansas State , Colton McKivitz de West Virginia e Jack Driscoll de Auburn podem estar disponíveis e prontos para serem lapidados para um futuro em que Duane Brown não esteja mais em campo.

 

 

Linebacker – 6ª Rodada

Com a saída de KJ e Mychael Kendricks com status ainda questionável, Seattle precisa encorpar a posição. Palavra do dia, “Profundidade.”

Joe Bachie JR de Michigan State e Nate Landman de Colorado são nomes a serem considerados caso estejam disponíveis, mas novamente, iria com o melhor jogador disponível.

 

Running Back – 7ª Rodada

Com as perdas recentes por lesão, o time tem que se precaver para a próxima temporada.

Anthonio Gibson de Memphis poderia estar disponível e caso Dillon ou outro bom jogador não caia até o fim do draft, Seattle poderia ir atrás dele.

Acredito que vocês esperavam algo mais específico com dados e boards, porém, não é o momento ainda. Com Combine pendente e outros eventos pré-draft, temos que ter cautela e estudar os nomes até que chegue abril. Sem saber tamanho, pesos, velocidade e estudar os tapes com calma, seria dar um tiro na cabeça e chutar nomes sem sentido, por isso me contive em manter uma média dos boards que vi até agora. Nós não precisamos disso, vocês não precisam disso. Por isso, prefiro me ater as necessidades do time  e com base nisso, em breve, trazer algo mais específico quanto a nomes e posições.

Seattle precisa por nas mãos de Russell Wilson seus próximos 6 a 10 anos. Precisa investir em proteção para o QB e dar jogadores que alavanquem seu potencial. Investir em Russell Wilson, é investir no futuro vencedor da franquia, é apostar no certo e colher os frutos da vitória. Carroll precisa enxergar que Seattle chega ao Super Bowl com pequenos ajustes e cercando seu melhor jogador das armas necessárias para conquistar outro título, caso contrário, Seattle continuará caindo em playoffs e não sairá do lugar enquanto nossos rivais progridem.

As próximas semanas, os próximos meses ditarão como será o futuro em Seattle pelos próximos 2 anos em que teremos Pete Carroll como Head Coach da franquia, e isso dirá muito, se Pete Carroll realmente deseja vencer ou são apenas palavras atiradas ao vento.

“A chave do futuro passa pelas mãos das gerações que o construirão” – Pro Seahawks Brasil

One Reply to “Hora de planejar o futuro – O futuro começa com boas escolhas!”

  1. […] LEIA: Hora de planejar o futuro […]

Deixe uma resposta